Julinha



Parece que foi ontem... começamos a namorar depois do final de semana em que fomos para a casa do Túlio, namorado da Julinha na época. Éramos dois casais jovens e apaixonados, onde tudo que queríamos era "transar e gozar".


Eu conseguia transar todo o tempo, já que o Flávio era o cara mais tarado que eu já havia conhecido... Mas gozar, era raro no sexo sem graça e cheio de tesão do homem mimado do mercado financeiro que conseguia tudo o que queria, na hora que queria.


Meu relógio sexual era diferente do Flávio, eu queria sentir, ele queria colocar para fora seu líquido branco pastoso. E quando ele resolvia me agradar, fazia um sexo oral mecânico e sem graça, daqueles que você fica com vontade que acabe logo.


E foi depois de uma foda sem graça que eu "olhei" para a Julinha pela primeira vez. Eu fui na cozinha buscar água quando me deparei com ela bebendo vinho branco. Sua boca carnuda engolia o vinho com uma vontade absurda de receber esse calor descendo pela sua garganta... era evidente que ela queria ser chupada, só não conseguia dizer isso em palavras.


Ela me olhou e sorriu. Deixou sua mão escorregar pela lateral do seu cabelo molhado e empinou os peitos pequenos, com seu mamilo escuro que cobria quase toda a extensão do peito, fazendo transparecer seu tesão através dos bicos duros. Era ela, a mais pura representação do meu tesão genuíno, aquele que buscava manifestar-se por meio de toques e sensações vibratórias. Senti um arrepio passar por toda minha coluna e quis desesperadamente beijá-la naquela cozinha velha com azulejos azuis e panelas enferrujadas...


Fiquei admirando sua beleza ordinária e me aproximei dela com meu corpo ainda sujo do esperma do Flávio, com meus pentelhos endurecidos e com gotas que insistiam em pingar no chão de cerâmica avermelhada. Eu estava com um roupão de veludo da sua avó, com detalhes de flores e rendas nas mangas e um tamanco nada tradicional que havia levado para sairmos à noite em uma primavera quente na Serra.


Estávamos a alguns centímetros uma da outra, prontas para encostarmos nossas barrigas quentes e nossas xotas meladas do prazer dos nossos parceiros; estávamos prontas para invadir o espaço sagrado dos nossos desejos mais escondidos e, mesmo sentindo o que sentíamos, não conseguíamos quebrar a barreira silenciosa que nos impedia de nos beijarmos.


Busquei a água que iria saciar parcialmente minha sede e voltei para a cama do Flávio, para continuar a dar meu corpo em troca de alguns beijos e declarações vulgares de amor mentiroso. Não conseguia parar de pensar nela e no seu corpo moreno que estava cheio de adrenalina sexual para me entregar. Não conseguia parar de pensar nos lábios da sua xota e nos pentelhos que a envolveriam. Não conseguia parar de pensar nela como um objeto de prazer pecaminoso e erótico, que satisfaria meu desejo mais intenso e que me levaria até o gozo pleno do melhor sexo que eu teria na vida.


O final de semana acabou e, na segunda de volta à rotina, fui até sua casa e a beijei na porta do seu apartamento. Enfiei minha língua na cavidade da sua boca pequena, tentando explorar todos os cantos da sua língua e preenchendo sua cavidade com todo meu tesão. Desci minhas mãos até sua xota e senti meus dedos se emaranharem em seus pentelhos, como se encobrissem de propósito seu sexo mágico; fui até a entrada da sua vulva e enfiei meu dedo com vontade, até sentir o líquido do seu desejo escorrer pelo meu dedo.


Retirei minha mão com cuidado e levei até minha boca, quando cheirei demoradamente até lamber com vontade cada gota daquele líquido de gosto doce com cheiro de Julia...

Posts recentes

Ver tudo

Forneço meu corpo para os que dele fazem morada. Encontro nas entrelinhas da minha angústia seu olhar sério, mandando que eu tire uma roupa. Eu retiro rápido e você me pede para diminuir a velocidade,